segunda-feira, 7 de abril de 2008

Uma Princesa do Sul

A princesa era do norte
Do país da neve fria
Estava à beira da morte
Só porque a neve não via
.



Toda a gente conhece ou pelo menos os algarvios, a lenda das amendoeiras em flor que tem como personagem principal a princesa Gilda.
Por isso acho desnecessário estar a narrá-la.

Mas permitam-me que brinque, um pouco, com a história da princesa do norte propondo várias alterações, assim:

A mocinha era do sul
Terra do sol ardente
Todo o dia olhava o mar
Era feliz e contente.

Para o deserto a raptaram
O mar deixou de ouvir
Estava a morrer de saudade
Já nem sabia sorrir!

Bem, depois o Califa com o dinheiro que possuía do petróleo que vendia às Américas e não só, mandou ir da China uma máquina especial que reproduzia na perfeição o som da maresia. E, assim, a mocinha olhava para as areias do deserto e podia ouvir o mar beijando amorosamente a areia da sua praia favorita ou ouvi-lo irritado batendo contra as rochas a lixar o mexilhão.
Isto tornou a cachopa feliz e contente e aprendeu a sorrir novamente para felicidade do seu amo e senhor.


4 comentários:

literatura disse...

Pequeno poema, mas que origina muita imaginação em cada palavra:

Princesa - Vejo-a linda à beira de um lago onde os cisnes brincam...

Do mesmo geito poderia descrever as restantes.
Beijinhos.

Maria Clarinda disse...

Excelente esta tua maneira de brincares com as palavras.
Adorei.
Jinhos

Marta Ribeiro disse...

Cada um imagina uma princesa ou um principe na sua vida


bom fim de semana

Baby disse...

Mas que amiga tão prendada que até consegue dar a volta à Lenda das amendoeiras!

Bom Domingo.