terça-feira, 26 de maio de 2015

Borboletas



 
 
Borboletas de finas asas esvoaçam à volta da luz hipnotizadas como num encantamento.
Rumo indefinido, antenas sem norte nem direção.
Rodopiam como numa ciranda, soltas, leves.
Não param na busca inconstante onde pousar.
Não encontram folha, galho ou fruto que as receba.
Pelo éter se movem num batimento de fragilidade.
A luz enlouquece-as e cansadas acabam por sucumbir. Inertes, tombam sem vida.
Borboletas de frágeis asas descoloridas jazem no chão, num adormecimento letal. Serão alimento de aves de asas brancas que o mar enviou.
 
 
 
foto e texto de Benó
 
 
 
 
 

sábado, 23 de maio de 2015

Fome

 
 
 
 


Vieram de longe ou não pois o mar está tão perto. Não sei! Tanto faz!
Começaram por observar o terreno, pairando lá no alto ou planando.
Foram necessários alguns dias para observação do terreno, tal como os espiões disfarçados precisam estudar o seu campo de ação para depois agir, assim elas fizeram.

Uma ave, duas, não mais, vindas das alturas, passavam em voos rasantes sobre o relvado, sem pousar, asas abertas, bicos aduncos prontas a apanhar o que quer que estivesse colocado, propositadamente, para lhes chamar a atenção, numa tigela sobre o espaço onde as crianças jogam à bola.
Sobre o verde da esperança.
Chegavam ordenadas em pequenos bandos, na sua fina penugem branca ou não. Tanto faz! Executavam pequenos saltos e corridas como se fossem atletas de salto em comprimento e procuravam a melhor posição para atacar a comida.


 

Já familiarizadas com o ambiente, mas um pouco amedrontadas, observam as redondezas, pousam e, logo, começam as zangas, o bater de asas, o grasnar para estabelecer hierarquias no ataque ao alimento.
Macho ou fêmea, tanto faz!
As mais humildes afastam-se e esperam a sua vez de debicar o que ficou e são as mais ousadas que comem primeiro e os melhores bocados.
Grasnando alto e em bom som vencem as mais fortes, sempre. As outras ficarão com os restos da abastança.

As sobras são para os mais fracos.
 
fotos e texto de Benó
 
 
 

 

 

.

terça-feira, 19 de maio de 2015

A Tareca





A mesa iluminada pela luz parda do candeeiro de petróleo estava posta.
Parecia não faltar nada. Os copos, os talheres, a garrafa do vinho, a cestinha do pão. A sopa acabada de fazer estava servida nos pratos e o seu odor inundava a divisão onde se encontrava a família já sentada para a ultima refeição do dia.  Só a gatinha ficara na cozinha, a gozar o prazer quente das brasas do lar já quase extinto.

Todos comiam e só se ouvia o tilintar das colheres nos pratos quando a mãe reparou que faltava o jarro da água.
Pediu à filha mais nova para ir à cozinha buscá-lo mas a cachopa, de cabeça baixa, não se mexeu do seu lugar. A mãe estranhando tal atitude tornou a fazer o mesmo pedido.

As lágrimas encheram os olhos pequeninos da criança de cabelos pretos e entre soluços conseguiu dizer:
 -Tenho medo de ir à cozinha porque os olhos da Tareca brilham no escuro, parecem duas brasas.
Ouviram-se as risadas das irmãs mais velhas que deixaram a mocinha meia envergonhada.

O pai levantou-se e pegando na filha ao colo levou-a à cozinha para lhe mostrar que o que a assustava mais não era do que dois olhos de gata, inocente e meiga pronta a receber o carinho dum afago da sua mão rechonchuda e pequena.




um conto contado ao Bloco de Capa Azul

 


terça-feira, 12 de maio de 2015

Papoilas

 
Campos de papoilas rubras, elegantes, de sedosas pétalas  e finos caules penugentos que dançam e
se agitam com as brisas que sobre elas perpassam.
Já não são vermelhas, perderam a cor viva, a cor da alegria. Estão descoradas, tomaram o tom pálido do descontentamento. Esqueceram os rubros cravos, esqueceram o que é ser livre ao saberem que as prisões estão cheias de homens, mulheres e até crianças.
Lembram os escritos proibidos que tantos desejavam ler. Agora, sabem que existem infinitas prateleiras cheias de livros em grandes casas para os vender mas, não há gente para os comprar.
 De que serve saber ler se não se sabe interpretar?
Falta dinheiro para o pão, falta dinheiro para a cultura.
As papoilas vermelhas descoradas lembram as searas douradas onde nasciam e cresciam e agora veem campos sem espigas, gente sem trabalho, fábricas paradas sem farinha, mãos sem calos pois não há ferramentas para concretizar os sonhos dos homens.
As papoilas, símbolo da alegria, estão sem cor e já não dançam ao som do vento. Pensativas não sabem para que serve a liberdade.

 

 

 

 

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Reencontro




O mundo não para, sucedem-se os dias, os anos.
Há uniões, desuniões, zangas, guerras mas os jardins renovam-se a cada estação do ano com flores diferentes mas não deixando nunca de ser um jardim mais ou menos colorido, mais ou menos sombreado mas sendo sempre um jardim com caminhos  suaves orlados de rosas ou mais difíceis com urtigas que picam. 
Como a vida.
O ontem já foi.  O amanhã será sempre o amanhã.  Resta-nos o hoje, o agora para saborearmos o gosto de viver mas terá que ser neste preciso momento, nesta pequenina centelha de segundo porque o agora não tem a duração de nada. Tudo tem de ser feito imediatamente se quisermos saborear o prazer de estar vivo, o prazer de compartilhar a amizade, o amor, o gosto de dar.
O hoje é demais importante para falar no que ficou para trás.

São amigas de longa data que se reencontraram,  riram, choraram, lembraram alegrias, pois só elas merecem ser recordadas. As amigas de longa data, voltaram a ser jovens porque felizes continuam a ser.

 

                                                                                            di Cavalcanti
 

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Parabéns




O Jardim d’abrolhos festeja este mês uns floridos 5 anos e foi com satisfação que verifiquei ter atingido os 100 seguidores.
Obrigada a todos que gostam de o visitar.
Inaugurei este espaço em Maio de 2010 e aos poucos, nem sempre com a regularidade que desejaria, foram postadas 347 mensagens que foram lidas em 58 215 visualizações, segundo estatísticas do Blogger.
Os visitantes vêm dos mais diversos pontos do globo, a saber, Portugal, Brasil, Canada, Alemanha, Reino Unido e até da China.

Tentarei que o Jardim esteja sempre viçoso, sem ervas daninhas, adubando-o e regando-o. Também terá o meu cuidado para renovar os seus canteiros com coloridas flores para que sejam dignas de merecer a  apreciação de quem gosta de vir apreciá-lo.
Retribuirei as vossas visitas com amizade.


 

.

 


domingo, 26 de abril de 2015

Espuma no areal




Há momentos especiais em que a natureza nos proporciona belos instantâneos fotográficos.
Num dia de vendaval no inverno passado, o mar resolveu lavar as pedras do areal com a espuma duma barrela que só ele sabe fazer e eu estava lá.