quarta-feira, 17 de maio de 2017

Joana

 Joana.
Uma cara alegre num corpo franzino. Duas mãos esguias a rematar os braços magros sempre em movimento. As pernas musculadas habituadas às corridas com os rapazes do bairro nos grandes desafios que lhe eram propostos pelos mais velhos sempre prontos a provocações. Os cabelos louros, lisos, presos na altura da nuca com um laço de fita azul, escorriam até meio das costas. Já tinha pedido à mãe para cortar o cabelo pois era a primeira coisa a ser agarrada e puxada com a força dum adolescente zangado, durante as disputas com os outros elementos dos grupos.
A Joana era a única rapariga entre quatro irmãos. Para sobreviver naquela selva masculina teve de por de parte as bonecas, as casinhas, as panelinhas e aprender a jogar ao berlinde, correr pelas ruas com o arco e até, a dizer palavrões. Teve de se tornar Maria-Rapaz e ser superior aos rapazes, em todas as brincadeiras.
Passaram muitos anos. Muitas primaveras e muitos outonos. Muitas praias e muitos areais. Outras disputas foram travadas. Umas vencidas outras perdidas.
Joana era agora uma presente no grupo que calmamente gozava o bom sol da beira-mar, num dia de temperatura amena, no principio desta primavera quente com dias de verão.
Os cabelos perderam a cor dourada, mas, sim, eram lisos e curtos, embora as “guerras” em que se metia atualmente fossem diferentes das vividas na sua adolescência, num bairro da periferia lisboeta. Agora conversava calmamente, agitando as mãos esguias e cuidadas, e sabia sorrir no meio dos assuntos que se discutiam naquela mesa da esplanada. Assuntos ligeiros, pois, em férias esquecem-se os problemas que atormentam a maioria dos cidadãos.
Joana que conheci menina rebelde tornara-se mulher que sabia camuflar a rebeldia.

foto e texto de Benó



4 comentários:

luisa disse...

É a vida que melhor nos ensina.

Maria Rodrigues disse...

Com a vida vamos aprendendo a "controlar" as emoções e a maneira de ser e estar.
Bom fim de semana
Beijinhos
Maria

CÉU disse...

Um texto muito bem escrito e que nos mostra que nos fazemos à vida, transformando-nos.

Beijos e bom domingo!

Justine disse...

Um retrato muito bem desenhado, Benó, com sensibilidade e realismo!