quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Um cesto de sonhos




No cesto, os novelos de fios coloridos esperam a vez para, malha a malha, ponto a ponto, se transformarem em mantas que irão aquecer os corpos nos dias frios deste inverno que se aproxima. Ao mesmo tempo serão tecidos sonhos e ardentes esperanças nos desejos que ficaram em espera no longo decorrer da vida.

Enquanto a manta cresce, os novelos diminuem e os desejos formam-se num  interminável tecer de ambições com a força do querer e da vontade do ser.

 Azuis, brancos, amarelos, verdes mais escuros ou mais claros os fios dos novelos são o matiz colorido das nossas utopias. Elas viverão connosco enquanto o sol nos aquecer e as estrelas nos fizerem sonhar, enquanto houver primavera em nossos corações, enquanto acreditarmos na justiça e no perdão, enquanto a humanidade se orgulhar da sua qualidade de ser superior.

Deixemos que a manta cresça sem pressa, colorida, a um novelo outro se seguirá e os nossos sonhos perseguirão a busca do arco-íris.
Esperemos que a utopia se torne realidade.

5 comentários:

✿ chica disse...

Lindo cesto e na certa, teremos um belo trabalho por aí! bjs, chica

Ana Freire disse...

Um belíssimo texto, inspirado pelos coloridos novelos... e a vontade de com eles obter um alegre e quentinho resultado...
Adorei o post! Beijinho! Continuação de uma boa semana!
Ana

luisa disse...

Sonhos coloridos para aquecer a vida. :)

Vieira Calado disse...

Mas, amiga, o que aí vemos é um autêntico arco-íris!

Beijinhos para si!

Graça Pires disse...

Maravilhoso, minha amiga Benó! A tecer a manta como quem tece a vida...
Uma boa semana.
Beijos.