domingo, 12 de fevereiro de 2017

A chuva




A árvore despida, totalmente nua, de braços erguidos ao céu aguardava a água necessária ao seu alimento e renovação.

A chuva chegou com verticalidade, fria, em lágrimas grossas. Umas vezes açoitadas pelo vento indignado com tanto tempo de ausência, outras vezes com tal intensidade que o seu som parecia pedras a caírem sobre tampas de panela.

 A chuva lavou chãos, calçadas, telhados e terraços. Arrastou terra feita lama, pedras, calhaus, galhos, folhas secas que eram tapete de ruas. Escorreu pelas penas pretas dos melros que costumam comer os medronhos maduros, quando bolas pequenas de cor vermelha enfeitando o verde da folhagem. Abriu regos na terra seca, fez regatos que levaram detritos para os ribeiros que se dirigiram para o mar habitado por peixes esfomeados, penetrou na profundeza da terra até onde se situam as raízes fortes das grandes árvores definhando com sede.
A chuva foi desejada.
Em breve, folhas novas, verdejantes começarão a vestir a amendoeira que abençoará a água que agora lhe escorre pelo corpo nu. A erva azeda aproveita todos os pingos que o seu fino caule pode receber para tornar mais amarela a sua flor.
A chuva foi necessária.

Texto e foto de Benó

4 comentários:

Ro Archela disse...

Aqui está chovendo neste finzinho de domingo e o gramado está feliz! Seu texto me inspirou. Ótima semana pra você.

Graça Pires disse...

Um texto excelente de quem toma atenção a tudo o que a Natureza nos oferece. Com a chuva, as árvores despidas parecem chorar as folhas que caíram e foram varridas pelo vento.
Uma boa semana, minha Amiga.
Um beijo.

Justine disse...

Uma bela paisagem de inverno, Benó!
E nós sabemos que a chuva é indispensável, mas os dias de sol sabem tão bem.....

Ana Freire disse...

A chuva para a natureza... nunca é sinónimo de tristeza... mas sim de vida e renovação!...
Adorei o seu texto, Benó!
Beijinhos! Continuação de uma boa semana!
Ana