quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Duas pedras

 



O vento, a chuva, a seca, as intempéries resultando numa erosão cuidada e meticulosa, talvez até, artística deram a estas pedras um perfil quase humano. Elas são espectadoras atentas ao que se passa no areal. Sabem quantos bagos de areia são necessários para formar uma duna, compreendem as conversas tidas entre as algas e os limos, ouvem as discussões dos caranguejos com as estrelas-do-mar, conhecem os ventos que sopram dos vizinhos desertos africanos ou aqueles outros, gelados, vindos do norte, onde moram as renas e as focas, também são maltratadas pelas fortes lufadas que chegam do sul, normalmente, carregadas de nuvens pesadas e negras. Entre elas, não perdem uma deliciosa cavaqueira sobre o Bóreas e o Nótus.
 
 
 
 
O sol, indiferente à beleza da onda que enrola e desenrola em brincadeira com as conchas e os mexilhões, segue a sua viagem diária perdendo-se para lá das águas profundas do oceano.
 
 
 
 
As pedras continuarão presas ao mesmo lugar, de onde podem dizer adeus aos marinheiros que passam ao largo rumando a aventuras que elas nunca poderão viver; sempre no mesmo lugar, de onde assistem a grandes tempestades mas também a belas e calmas bonanças; de onde podem extasiar-se ante os coloridos ocasos nas profundezas do infinito oceano; sempre no mesmo lugar, até que o gastar dos tempos as faça tombar, sem dó nem piedade, no fundo da falésia, nas águas que agora lhes beijam os pés, elas ali estão,
 
num local, aqui, perto do Jardim.
foto e texto de Benó

5 comentários:

Magui disse...

Sublime o texto e o local só podia ser Sagres com as suas misteriosas pedras.

quem és, que fazes aqui? disse...


É um prazer ser rocha se o mar nos beija.

As fotografias estão perfeitas e o texto... deixou-me a sonhar com o cheiro a sal.

Obrigada pela visita e um beijo.

Laura

Beatriz Bragança disse...

Querida Benó
Texto maravilhoso a servir de legenda imensamente poética às belezas deslumbrantes da Natureza!
Como a sua terra se deve orgulhar por tê-la como habitante tão atenta e que tão bem a sabe definir!!!
Muitos parabéns.
Beijinhos
Beatriz

manuela barroso disse...

Perfeito enquadramento do mistério dessas pedras atentas, com um tecido poético reflexivo e encantador, Benó.
Adoro por- de- sol.
As cores estão um sonho, com o sonho das palavras
Muitos bjis

Maria Emilia Moreira disse...

Olá Benó!
Acabo de descobri-la num blog de uma amiga. Gostei das fotos e comecei a ver-lhes figuras...depois li o texto. Bela prosa-poética!
Um abraço.
M. Emília