terça-feira, 13 de julho de 2010

Saúl Dias


Sofro
de não te ver,
de perder
os teus gestos
leves, lestos,
a tua fala
que o sorriso embala,
a tua alma
límpida, tão calma...

Sofro
de te perder,
durante dias que parecem meses,
durante meses que parecem anos...

Quem vem regar o meu jardim de enganos,
tratar das árvores de tenrinhos ramos?


Armérias - um endemismo da costa vicentina
foto benó

2 comentários:

Vieira Calado disse...

As flores silvestres não se regam...

E essas são muito bonitas.

Beijocas

Nilson Barcelli disse...

Flores, foto e poema muito bonitos.
Gostei muito, querida amiga.
Beijos.